segunda-feira

A ONDA

 Quando eu era criança,tínhamos um vizinho que todos os dias, passava na rua trazendo livro embaixo do braço. Não importava onde fosse, indo para o trabalho ou voltando pra casa, lá estava ele e seu livro. E não era o mesmo livro, toda semana era um novo, com capas de cores diferentes, ora lisas,ora coloridas. Dava para ver que se orgulhava de andar para lá e para cá com esses livros. Toda a vizinhança notava o estranho hábito, pois a maioria ali, mal sabia ler ou podia comprar um livro, imagina tantos assim. 


Todos ficavam imaginando como devia ser a casa dele. Certamente, tinha uma estante enorme, talvez fosse um professor ou escritor mas o certo é que devia ser muito culto para ler tanto. Muitos se sentiam mal com essa atitude que parecia puro exibicionismo para mostrar que era

superior, outros sentiam inveja mesmo e o despresavam.

Com o tempo, as pessoas foram se acostumando e nem davam mais importância ao rapaz, ou pelo menos, era assim que todos pensavam. Quando um dia ele não passou pela manhã, alguns perceberam mas quando fez uma semana de ausência, a vizinhança ficou curiosa sobre o sumisso.

Mas nunca ninguém o visitava então, resolveram então ir até a casa dele. Bateram na porta porém,ninguém atendeu, já estavam quase desistindo, quando  uma senhora apareceu, assustada com tanta gente na frente de sua casa.

Explicaram que procuravam pelo rapaz. Ela disse que ele era seu filho e que teve que ficar internado no hospital para fazer uma cirurgia. Contou que os livros, eram da bibblioteca onde ele trabalhava como faxineiro e ele os trazia para ela ler e abrandar a solidão que sentia, enquanto ele estivesse fora trabalhando para sustentar os dois.

Todos se entreolharam espantados, havia julgado mal o rapaz, que agora sabiam se chamar Julio e que lonje de ser o que pensavam, era na realidade um bom filho. Envergonhados mas decididos a concertar seus erros, a vizinhança se comprometeu a ajudar a senhora, indo na bibblioteca e alugando os livros para ela como seu filho fazia. Além disso, se juntaram para trazer alimentos , enquanto o rapaz estivesse impedido de fazê-lo.

Como toda atitude tem consequências, as pessoas dos outros bairros ao saberem da história, doaram livros para a senhora que lotou a casa e agradecida começou a receber gente que queria ler e trocar livros, nascendo assim uma pequena biblioteca no bairro. A senhora feliz com tantas pessoas se interessando pela leitura, começou a alfabetizar os vizinhos. 



Quando Julio teve alta e voltou para casa, ficou impressionado como tudo estava mudado, as pessoas antes mal se falavam, agora se conheciam, conversavam sobre vários assuntos, contavam histórias,sabiam ler e com isso mudaram suas vidas. A biblioteca onde ele trabalhava também cresceu devido ao movimento de pessoas levando mais livros para casa.

Muitos voltaram a estudar e outros tantos mudaram de profissão.O rapaz não podia acreditar que seu simples gesto , poderia ter feito tanto e por tanta gente. Assim é que nascem as grandes ideias, de pequenas atitudes, como essa, como uma onda com potêncial para transformar vidas e também o mundo. 


18 comentários:

  1. Que texto maravilhoso.

    Beijos
    www.pimentadeacucar.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou querida, muito grata.

      Excluir
  2. Parabéns! Muito lindo!!!

    ResponderExcluir
  3. Uau! No começo do texto, vi uma semelhança entre o rapaz e a personagem Bela, de a Bella e a Fera, por seu gosto considerado peculiar pela leitura. Ler realmente muda nossas vidas. Adorei a maneira como você colocou isso no texto. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada volte sempre,bjus.

    ResponderExcluir
  5. Um texto maravilhoso, um simples gesto do rapaz mudou a vida de todos, muitas vezes a pessoa julga o outro sem razão, mais que bom que nessa história foi diferente, bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado amiga,bjus.

      Excluir
  6. Que lindo texto!! Bem reflexivo, não se pode julgar uma pessoa sem conhecê-la. Bela atitude das pessoas ao conhecer a mãe do rapaz. E que bom que o fato do Júlio andar sempre com um livro na mão tenha feito as pessoas sentirem a sua falta, quando pararam de vê-lo. Que essa história sirva de exemplo!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Um texto simples mas cheio de reflexão, em especial nesse.momento em que vivemos! Adorei super! Beijos

    ResponderExcluir
  8. Que texto maravilhoso, e ele me fez desejar que todos no mundo tivesse um vizinho assim, já pensou?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos nós desejamos não é mesmo? bjus.

      Excluir
  9. Olá Tania, tudo bem?

    Nossa, que texto incrível, já me deixou com aquele gostinho de quero mais. A literatura, de alguma forma, consegue mudar vidas e fazer as pessoas serem melhores. Essa atitude para com a sua mãe foi algo incrível demais. Arrasou no texto!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Concordo amiga,bjus.

    ResponderExcluir
  11. Oi?
    Nossa texto full reflexivo reli umas 3x foi tão curtinho e me deixou aqui pensando na vida...
    estou passando por um momento tão dificil e meio que foi citado no texto. Tenho que continuar com forças e com fé

    ResponderExcluir
  12. Adorei ler a sua historia, é uma linda historia, apaixonante e que dá vontade de ler mais e mais. Bem para quando temos a continuação desta historia, já estou a espera.

    ResponderExcluir

Seu comentário é a vida do blog.
se gostou, não deixe de seguir.

As mais visitadas